Impasse no acordo entre Construcap e Prefeitura pode prejudicar trabalhadores de Magé

23/01/2014

IMG_0478Com a recente restauração no prédio onde a empresa Construcap está instalada, na Barbuda, feita pela Prefeitura de Magé, veio o acordo de que a empresa terceirizada pela Petrobras contrataria seus funcionários até o dia 15 deste mês. De lá pra cá, as vagas seriam preenchidas pela própria Prefeitura, através do Sine – Sistema Nacional de Emprego, gerenciado pela Secretaria Municipal de Trabalho e Renda. A informação é da própria secretária, Tânia Mara, ouvida pela reportagem de O Mangue na última sexta-feira (17) e também na segunda (20), na sede da secretaria. O impasse se dá porque a empresa continua contratando, divulgando seu email para entrega de currículos, e há suspeita de que vereadores de Magé e políticos ligados ao Executivo que pleitearão uma vaga na Alerj este ano, estariam conseguindo as vagas como uma possível “troca de favores”.

IMG_0481Era intenção da secretária Tânia Mara colocar uma tenda na Praça da Prefeitura na última segunda-feira, para cadastrar os trabalhadores pelo Sine, que seriam indicados à Construcap. Não se sabe porque, mas ao contatar demais agentes do Poder Público Municipal, a ideia simplesmente não foi adiante. Desde então a secretária não tem querido muito divulgar as vagas para a empreiteira, preferindo dar ênfase aos cursos gratuitos oferecidos pelo Sine:

Sistema Nacional de Emprego

– Temos inscrição para corte e costura, estamos firmando uma pareceria com o Senai, etc. Quanto a questão da Construcap, o que a empresa nos passou foi o seguinte: que eles trouxeram formado um quadro técnico de funcionários, e para a administração, cargos de chefia. Então vieram doutores, pessoas ligadas a área de segurança do trabalho, do meio-ambiente, engenheiros, assistência social, e segundo eles pegaram funcionários como eletricista, ajudante, zelador, vigia, na porta da empresa. Não nos passaram quantas vagas eles precisam – afirmou Tânia, que na segunda-feira demonstrou-se surpreendida com a informação de que a Construcap continuava contratando: “se estão contratando, estão descumprindo a parte deles no acordo”, disse a secretária, que na sexta-feira passada (17), pela manhã, já parecia saber da situação e bastante nervosa ao telefone, com o que chamou de “situação muito grave”.

Segundo informações obtidas na própria secretaria, cerca de 60 vagas já foram preenchidas por pessoas de Magé. Em frente a empresa é comum ver, principalmente na parte da manhã, amontoado de trabalhadores à espera de um chamado. Boa parte quis falar com a reportagem, e todos pediram anonimato:

Trabalhadores à espera

– Eu já trabalhei em obra de duto e sei que o que eles tão falando é tudo caô. Já vieram com o time deles todo formado e pra Magé, se sobrar alguma coisa vai ser cavar vala. A gente vem aqui todo dia e eles não nos chamam.

– A gente fica aqui e vê políticos do alto escalão da Prefeitura entrando e saindo da empresa. Estamos sendo feitos de bobos, né? Isso que eles falam que chamaram eletricista, zelador, vigia, é verdade. É tudo gente daqui da Barbuda mesmo que tem conchavo com vereador.

– Pior: esses dias acharam um monte de currículo nosso jogado no chão, lá atrás, até me chamaram pra ver se o meu estava lá, mas não estava.

– Eu venho aqui desde que não havia essa faixa no portão, o que havia era só um pedaço de papel falando das vagas, isso em dezembro. E tô aqui até agora, sendo que tem gente que chegou por aqui nessa semana e já foi chamado. E olha que eu sou do bairro, hem.

A Construcap não retornou ao email com as perguntas da reportagem enviado na terça-feira. O que se sabe é que os dutos (seriam cinco) virão de Duque de Caxias a Itaboraí, no Comperj. Em Magé, a verificação do trecho já começou, as obras em si devem começar entre meado e final de fevereiro, e gerar algo em torno de quatro mil empregos.

 

 

Comentários