Colabore com reportagens exclusivas, sendo um Sócio-Patrocinador do site O MANGUE. Escolha sua opção de Assinatura On-Line, ou, se preferir, deposite qualquer valor em nome de Bruno de Almeida Silva, Agência 0183, Conta 121454-1, Caixa Econômica Federal. O Jornalismo Local e Independente agradece!

EM APURAÇÃO QUE VAROU A MADRUGADA, MAGÉ ELEGE CONSELHEIROS TUTELARES

O município de Magé conheceu seus dez conselheiros tutelares, que tomarão posse no dia 10 de janeiro, nesta que foi a primeira eleição unificada em todo Brasil, ocorrida no dia 4. Alguns dos candidatos obtiveram a reeleição, tanto no Conselho Tutelar I quanto no Conselho Tutelar II. A votação se deu em 13 escolas e computaram mais de 6.000 votos válidos, sendo a zona 148 (Piabetá) a de maior expressividade.

Cada eleitor poderia votar, na mesma cédula, em um nome para o Conselho Tutelar I e em um para o Conselho Tutelar II. Embora ainda não tenha sido divulgado o número exato de votantes, chamou a atenção a grande quantidade de votos nulos e em branco, muito embora a eleição não fosse obrigatória. Foi notório também o empenho de vereadores e líderes partidários locais na campanha de alguns candidatos, o que caracteriza cada vez mais o processo como de cunho político.

IMG_2350
Alguns dos eleitos que permaneceram até o fim da apuração. Em sentido horário, para o Conselho I: Denise Cardozo, Sueli Morilio (que teve votos pedidos pelo vereador Carlinhos da Ambulância), Caroline Abreu, e Renato Knupa (reeleito). Para o II: Milton Rogério, Livia da Silva (que chegou a comemorar a vitória mas ficou na suplência), e Alcinete Azevedo, recordista de votos

Regras Mudadas

Já havia sido deliberado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA) de Magé, entidade organizadora da eleição, que fossem recebidos os votos de qualquer pessoa interessada em participar, independente de sua zona e seção, desde que apresentasse o título de eleitor e um documento com foto. Até que somente no final da semana o Tribunal Regional Eleitoral liberou os cadernos de votação com os nomes de todos os eleitores, por zona e seção. Isso fez com que, no decorrer do pleito, a promotora de Justiça da Vara da Infância e Juventude no município, Clarice Zeitel, percorresse todos os polos de votação, com a instrução de que os mesários só permitissem a votação de quem estava relacionado em tal seção, caso contrário corria-se o risco de pessoas votarem mais de uma vez. Isso gerou descontentamento por parte de alguns, pois até que a regra fosse mudada, votos ‘fora de seção’ já haviam sido feitos, ao passo em que muitos eleitores não conseguiram se deslocar às suas seções originais em tempo hábil, ficando sem votar.

Apuração cansativa e à beira de tumulto

IMG_2307
A promotora Clarice Zeitel e sua assistente Viviane Andrade. Atrás os candidatos Edwaldo Torres e Marcos Dias. Candidatos fizeram questão de que a apuração se desse ‘mesa por mesa’, mas não ficaram para fiscalizar

A apuração, que se deu na Secretaria Municipal de Educação, também gerou certa confusão, terminando bem mais tarde do que o previsto, por volta das 3h30 da madrugada, com os participantes já exaustos por estarem trabalhando desde às 7h da manhã do dia anterior como fiscais, apoio e presidentes de mesa. Tudo porque os candidatos insistiram, a fim de que pudessem fiscalizar melhor, que as contagens das urnas manuais fossem feitas ‘escola por escola’, e não todas ao mesmo tempo. A decisão foi acatada pela promotora, que posteriormente acabou por liberar a contagem de quatro escolas por vez, pressionada pelos mesários, ao ver que, ‘pelo andar da carruagem’ o processo poderia levar ainda muito mais tempo.

IMG_2319
Os presidentes de mesa de uma das escolas apuram as urnas de uma seção, enquanto os demais aguardam

 

IMG_2344
Foram convidados a trabalhar nas eleições funcionários da Prefeitura lotados nas secretarias de Educação, Assistência Social e Saúde, e ganharam em troca três dias de folga a serem tiradas de forma intercalada. Em geral, acharam pouco

Outro contratempo foi o consenso sobre se eram válidos os votos marcados em cima do número dos candidatos, e não no espaço destinado para o ‘x’. Enquanto o CMDCA entendia por aproveitar os votos, já que a intenção dos mesmos estava clara, a promotora decidiu por anulá-los; e isso fez com que todas as urnas de uma escola tivessem que ser recontadas. No decorrer da apuração, a reportagem chegou a fazer a foto de uma cédula para melhor demonstrar como o ‘erro’ dos eleitores estava se dando, porém a promotora entendeu que a publicação de tal imagem era proibida e ordenou que a fotografia fosse   apagada.

IMG_2320
O presidente do CMDCA, Gastão Cosate

Ônibus suspeito e processos judiciais

A promotora Clarice confirmou à reportagem que ao menos uma denúncia chegou até ela, a de que a candidata Nanci Nunes de Paula, reeleita no Conselho Tutelar II, seria, em tese, a responsável por fretar um ônibus para levar eleitores, tendo siso o mesmo identificado no bairro Maurimárcia. O caso ainda está sendo apurado.

IMG_2315
Nanci: ônibus “identificado”
IMG_2334
Os pastores Marcos e Milton: reeleição e processo

Outros dois candidatos reeleitos, também do Conselho Tutelar II, enfrentam processos no Ministério Público Estadual, podendo inclusive não assumir. São eles, os pastores evangélicos Marcos Farias de Lima e Milton Rogério. Quanto ao primeiro, consta a acusação de possuir remuneração como pastor, enquanto a atividade de conselheiro requer exclusividade. Já ao segundo consta, dentre outras coisas, campanha eleitoral feita na internet para a candidata a presidente da República Marina Silva. A promotora entende que, como não existe decisão em nenhum processo, eles puderam concorrer ao pleito, mas que em relação a conselheiros afastados recentemente, “não haverá tratamento desigual”:

— Se alguém tiver que ser afastado, vai ser afastado — afirma ela.

Mandato de quatro anos

Uma resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA), determina que a partir deste ano, os mandatos dos Conselheiros Tutelares passem a valer por quatro anos, e não dois, como vinha acontecendo.

São eleitos os cinco candidatos mais bem votados para cada Conselho, ficando mais cinco como suplentes. Acompanhe abaixo a quantidade de votos de cada candidato, cuja soma chega a 6.195. Os números dos candidatos ao Conselho II, Edwaldo Torres, Marcos Dias, Jorge Pereira de Souza, e Vanessa Correia, bem como os números de votos nulos e brancos, não constam nesta lista:

IMG_2353 - Cópia

DEIXE UMA RESPOSTA