Colabore com reportagens exclusivas, sendo um Sócio-Patrocinador do site O MANGUE. Escolha sua opção de Assinatura On-Line, ou, se preferir, deposite qualquer valor em nome de Bruno de Almeida Silva, Agência 0183, Conta 121454-1, Caixa Econômica Federal. O Jornalismo Local e Independente agradece!

PREFEITURA FAZ AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA MUDAR TRÂNSITO NA AVENIDA SIMÃO DA MOTA

Uma Audiência Pública foi organizada pela Prefeitura de Magé na sede do Rotary Club, na noite de 24 de março. O tema foi apresentado pelas secretarias de Habitação e Urbanismo, e de Transporte: a possibilidade de alteração no trânsito da Avenida Simão da Motta, importante referência comercial no primeiro distrito e principal via de entrada e saída da cidade. Uma das propostas é deixá-la toda no sentido ‘centro-pista’; enquanto a rua João Valério passaria a ser o único acesso de entrada à cidade.

IMG_0321
O agente de trânsito Carlos Duarte, o secretário de Habitação e Urbanismo Paulo Vaz, e o secretário de Transportes Sérgio Venâncio. Apesar de o evento ter sido anunciado como de iniciativa da Secretaria de Ordem Pública, o responsável pela pasta, Geraldo Gerpe, não teve sua ausência justificada, sendo sentida também a falta de demais agentes de trânsito que já haviam garantido presença

Mas a mudança deve ser mais debatida, a julgar pela opinião dos munícipes presentes, que pareceram unânimes ao culpar a localização da sede do Detran como um dos fatores que mais prejudicam o fluxo naquela rota; e essa visão foi compartilhada até pelo secretário de Habitação e Urbanismo, Paulo Vaz, que apesar disso não tem essa alternativa (mudança de lugar do Detran) como prioridade.

IMG_0297
Uma das ideias é tirar o ponto de táxi, levando-0 para a rua Alvina Valério. Essa medida traria maior fiscalização sobre a faixa de pedestre que há ali próximo e “limparia” o visual
IMG_0310
Uma das previsões é construir um ponto de ônibus de frente à BR, para quem vai sentido Rio de Janeiro. Já quem pega a condução sentido Niterói, continuaria esperando no último ponto da Simão da Mota
IMG_0306
A proposta de retirar os vasos de planta da calçada da Galeria José Rodrigues para dar lugar a um recuo para ônibus e carros, é polêmica, porque os proprietários da galeria não foram consultados e os vasos estão em conformidade com o Código de Postura do Município

A intenção do governo, é já promover a troca de alguns pontos de ônibus, levar o ponto de táxi que existe em frente à Padaria Alana para a rua Alvina Valério, reduzir o espaço em frente ao portão do Colégio Visconde para aumentar as vagas de veículos, chegar o semáforo e faixa de pedestre que ficam em frente ao Banco do Brasil mais pra frente (na esquina do Terê Pão), construir um recuo em frente à Galeria José Rodrigues (no lugar de parte da calçada), tudo isso visando melhor fluidez, principalmente no tráfego dos ônibus e bicicletas, o que seria sentido também nas ruas paralelas, todas muito estreitas.

— É uma covardia também a gente ver que os ônibus não têm cobrador. Isso faz demorar muito o tempo em que eles ficam parados nos pontos — diz o agente de Trânsito Carlos Duarte, que sugeriu parte dessas alterações, baseado em suas observações do dia-dia.

Venâncio: “Ordenamento Urbano”

A opção pela mudança, segundo o secretário de Transportes, Sérgio Venâncio, leva em conta também a preocupação com a segurança:

— Magé não comporta mais duas entradas e saídas. Até em nível de segurança a gente tem um controle maior com apenas uma entrada e uma saída. Magé tem hoje muito ponto de fuga. Então, temos ideias que podem ajudar a fluir melhor o trânsito. O ordenamento urbano pensa no futuro da cidade — diz Sérgio, que já foi secretário de Segurança e propiciou uma série de mudanças no trânsito do município, quando da primeira vez em que foi responsável pela pasta de Transportes.

IMG_0298
Com a chegada do canteiro para a frente, mais vagas seriam criadas na rua, em frente ao colégio Visconde

Prefeitura não tem engenheiro especializado em Trânsito

A carência de um engenheiro civil qualificado para fazer um estudo de Trânsito, no quadro de funcionários da Prefeitura, não foi bem digerida pelo público presente, principalmente pelo construtor civil e engenheiro de Segurança do Trabalho pela UCP/UFF, Valther de Souza, ex-funcionário no governo Núbia. Ele resumiu bem a questão e fez sérios alertas aos representantes do Executivo, com constatações como: “apenas o fechamento da Dr. Siqueira e a construção da ciclovia suprimiram 240 vagas de estacionamento em Magé. E imaginem só: estão construindo prédios de 25 salas no centro, em terreno com menos de duzentos metros quadrados e  sem vaga de garagem nenhuma. Onde que a gente vai parar com isso?”, indaga o profissional.

IMG_0341
Valtinho, como é popularmente conhecido, criticou: “Dizem que querem priorizar o transporte coletivo mas quantas linhas circular há no município?” Ele também cobrou a pavimentação do canal do centro como solução ao desafogamento do trânsito: “a água que entra ali é quase nula, aquilo é remansado, é fácil e fica todo mundo com medo de fazer”

Ainda sobre o fechamento da Dr. Siqueira, Valther aproveitou:

— Eu achei um absurdo, era uma rua que escoava o trânsito pra Simão da Mota, não podia ser fechada. Podia-se alargar as calçadas, fazer um tráfego só de uma pista, botar as baias de carga e descarga, embarque e desembarque, contemplar tudo ali, a gente tem o exemplo da 16 de Março em Teresópolis. O prefeito diz que “é uma tendência”. Aí eu pergunto: é tendência aonde? Em Niterói tinha um monte de rua fechada pra pedestre e agora estão abrindo tudo, alargando as calçadas — considerou o engenheiro.

Comércio e escola prejudicados

Quem também não se agradou muito foi a comerciante Wilma Campos, que reclama sobre a falta de pontos de carga e descarga de mercadorias (“na Simão da Mota não têm, já deixei de receber fornecedores por causa disso”), e se vê preocupada em ter seu comércio, e os demais da região, mais prejudicados com as modificações. Desabafou:

— Eu não me operaria com advogado, eu não pediria a médico para me defender. E sou extremamente contra que as pessoas não tenham uma faculdade relacionada a Políticas para poder trabalhar na política. Acho que alguém lá em cima tem que gritar por isso.

IMG_0331
Wilma Campos, proprietária da pizzaria Nova Ravena: “não temos carga e descarga na Simão da Mota”

Dono de uma das escolas que existem ao longo da Simão da Mota, Paulo Lopes preferiu não se manifestar durante as discussões, mas opinou ao site O Mangue:

— Já que o município não tem agora como viabilizar uma saída reversível àquela situação, a minha opinião é colocar as pessoas para trabalhar: durante o pique você torne a via em mão única, ou saindo ou entrando. Se eu tiver um agente de trânsito em frente a minha escola, como a escola concorrente tem em frente a ela, fica fácil. A questão não está nos ônibus, eles representam 20, 30 por cento do fluxo. A maior irresponsabilidade é ter um Detran que coloca minhas crianças em nível de perigo, porque elas têm que ir pra dentro da pista porque não existe o menor respeito. E no mais: eu emprestei a escola para formar quarenta guardas de trânsito, mas não tive a oportunidade de fazer com que a rua Major Magalhães, com a qual eu margeio, deixasse de ser mão-dupla pelo menos na hora do pique. Isso facilitaria bastante — conclui o educador.

IMG_0319
O taxista Moretti (de boné) não concordou com a provável mudança do seu local de trabalho, e fez coro: “tira o Detran dali, aquilo não tem nada a ver ali”. Atrás dele, o educador Paulo Lopes (de camisa verde): “eu não tenho o privilégio de ter um agente de trânsito em frente minha escola”

Magé não se enquadra no Código de Trânsito Brasileiro

O fato de Magé ainda não obedecer ao Código de Trânsito Brasileiro, por não ter ainda implantado o “estacionamento rotativo pago nas vias”, como determina o artigo 24 do CTB, também não foi recebido com bons olhos, e é entendido como algo de mais emergencial. O projeto até foi aprovado recentemente na Câmara, mas como confirmou o vereador Silmar Braga (único, entre os 17 vereadores, presente ao encontro), a lei não versa sobre o número de vagas, tão pouco foi definido local e data para a efetivação do serviço.

IMG_0379
Mesmo com a promessa de que outras audiências públicas iriam acontecer, algumas modificações já começaram, como a retirada do ponto de ônibus em frente aos Correios, e de um polígono de segurança para pedestres e agentes de trânsito, que agora deu ocupação a um jardim, cujo mato cresce e tende a atrapalhar a visão. É tido como o glacê, já que o bolo está pronto

DEIXE UMA RESPOSTA