Colabore com reportagens exclusivas, sendo um Sócio-Patrocinador do site O MANGUE. Escolha sua opção de Assinatura On-Line, ou, se preferir, deposite qualquer valor em nome de Bruno de Almeida Silva, Agência 0183, Conta 121454-1, Caixa Econômica Federal. O Jornalismo Local e Independente agradece!

Troca de Comando no 34° Batalhão da Polícia Militar em Magé

Tomou posse ontem como comandante do 34° Batalhão da Polícia Militar em Magé, o tenente-coronel Ranulpho Souza Brandão Filho. Ele assume no lugar da também tenente-coronel Andreia Ferreira da Silva Campos, que ficou no cargo por um ano e oito dias, e agora passa a se dedicar ao Regimento de Cavalaria, em Campo Grande.

Brandão é baiano, tem 47 anos de idade e 27 dedicados à PM. Foi subsecretário militar da Prefeitura de Duque de Caxias. Tem NBA em Gestão de Segurança Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Foi chefe de Seção do Estado Maior, comandante e sub-comandante em vários BPM, e comandante do Batalhão de Polícia de Choque. Além de um colecionador de títulos e medalhas.

A comandante agradeceu aos “intermediários e subalternos”: “sem vocês, nada do que foi realizado seria possível”. E aos “praças”: “comandá-los foi uma honra”

Na leitura pública da Ordem do Dia, que é parte da solenidade, a tenente-coronel Andreia destacou “o incansável trabalho dos oficiais e praças do trigésimo quatro”, ao longo de sua permanência em Magé:

— Nesse período eles lograram em prender 578 meliantes, e apreender 139 armas de fogo. E ainda apreender 51 quilos de cocaína e maconha (…). Entrego esse comando com o sentimento de dever cumprido — despediu-se a policial.

E ainda citou a Bíblia, em uma passagem do profeta Isaías: “Mas o Senhor Deus é meu avaliador, por isso não me deixei abater o ânimo. Conservei o rosto impassível como pedra. Porque sei que não sairei humilhado”.

Uso de Colete à Prova de Balas para PMs passa a ser obrigatório no Rio

A comandante Lovain, que já havia sido oficial da comandante Andreia no curso de Polícia Montada, lamentou a violência que assola o estado: “somos os primeiros a sofrer a barbárie, a criminalidade crescente”. Evento teve início com um minuto de silêncio pelos policiais mortos esse ano: são seis

Também fez uso da palavra a coronel Claudia Lovain, comandante do 3° Comando de Policiamento de Área (CPA, que abrange os municípios de Mesquita, Duque de Caxias, São João de Meriti, Queimados, Magé, e Belford Roxo). De mais importante, ela destacou:

— No Boletim desta semana se tornou finalmente obrigatório o uso do colete à prova de bala. Já determinamos aos comandantes que peçam o envio das remessas para suprir todas as unidades. Temos colete para distribuir pra todo o estado do Rio de Janeiro. É uma grande vitória e agora o uso é obrigatório. Incomoda, esquenta, não importa. Salva vida — discursou.

Vale lembrar que o uso do colete balístico havia deixado de ser obrigatório no estado em 2012, e que até 2015, 80% deles estavam com validade vencida, segundo uma reportagem do jornal O Globo.

Também no Boletim da Polícia Militar do Rio, nesta semana, foi publicado o pagamento do cumprimento das metas estabelecidas pelo Instituto de Segurança Pública, relativos ao primeiro semestre de 2016. O único Batalhão que conseguiu atingir todos os índices naquele período foi o 18°, em Jacarepaguá. A comandante também comentou:

— Perdemos o contrato de manutenção das viaturas e das viaturas locadas. Mas isso também não pode nos fazer esmorecer. Quem está na rua diuturnamente somos nós (…) e muito embora não tenhamos atingido a meta, todos nossos índices de produção aumentaram, não houve nenhum que não tenha crescido menos de trinta por cento.

Prefeitura de Magé tem convênio com policiais para ‘hora extra’

A Coordenadoria de Comunicação Social da PM respondeu a um email enviado pela reportagem, sobre o pagamento de horas extras financiado pela Prefeitura de Magé a policiais lotados no 34°, que também responde pelo município de Guapimirim. O esclarecimento é de que: “os policiais devem levar o caso ao seu comandante imediato e ver a possibilidade de uma permuta. Em Magé tem os policiais que trabalham pelo Regime Adicional de Serviço, além do PROEIS que é um convênio feito com a Prefeitura”. Não houve retorno sobre de quanto é tal convênio, nem há quanto tempo ele está em vigor.

Brandão à frente do BPM de Magé e Guapimirim: experiência e títulos

DEIXE UMA RESPOSTA